Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Motores
Impressões ao dirigir

Kwid: confira como anda o compacto da Renault

Carro é moderno e ágil no trânsito, mas tem espaço interno restrito...
11/10/2017 14:00 11/10/2017 14:00

Adair Santos/Adair Santos/GES-Especial
Design segue a tendência mundial da marca


Por R$ 29,99 mil ele é ‘‘peladão’’, mas por R$ 34,99 mil, vem ‘‘equipadão’’. Um dos carros mais aguardados do ano, o Kwid chegou em agosto ao mercado causando estardalhaço. Em seu primeiro mês completo de vendas, totalizou 10.359 unidades, ajudando a Renault a atingir o quarto lugar no Brasil, com participação de 10,6%.

Adair Santos/GES-Especial
Chave-canivete na versão topo de linha, como a testada


Por R$ 34,99 mil, o compacto da Renault traz direção elétrica, ar-condicionado e vidros dianteiros elétricos, abaixo de concorrentes como Fiat Mobi e Volkswagen up!. Quatro air bags e dois pontos para Isofix são de série desde a versão de entrada. Moderno, gostoso de dirigir e bastante ágil no trânsito, o Kwid é uma ótima opção de compra nesta faixa de preço. Mas o espaço interno é limitado: duas pessoas mais encorpadas quase encostam os ombros na frente.

Adair Santos/GES-Especial
Espaço apenas razoável para quem vai atrás

Atrás, o espaço para as pernas é razoável, apesar de a Renault ter feito milagre quando consideradas suas dimensões: 3,68 m de comprimento, 2,42 m de entre-eixos, 1,58 m de largura e 1,47 m de altura. Ótima surpresa é o porta-malas, que comporta 290 l (no Ford Ka, cabem 257 l).


Design 

Adair Santos/GES-Especial
Lanternas são bonitas e caixas de rodas têm molduras em plástico preto

Bonito de todos os ângulos, Kwid traz a nova linguagem de design da Renault. Apesar da posição alta de dirigir e bons ângulo de entrada (24º) e de saída (40º), não dá para considerá-lo um SUV compacto. No máximo um aventureiro leve... Mas valeu a tentativa, Renault!

Motor faz bonito 

Adair Santos/GES-Especial
1.0 é valente e econômico

Diante dos 85 cv com álcool e 80 cv com gasolina do Ford Ka, se analisados friamente os 70 cv/ 66 cv do 1.0 SCe de três cilindros e 12 válvulas do Kwid teoricamente perdem o brilho. Mas se por um lado não é o mais potente, por outro é o mais leve: pesa 786 kg, menos ainda que o Mille Fire, com seus 825 kg, e que o Ka, com 1.007 kg. Assim, o Kwid oferece ótima relação peso/potência e o resultado é um desempenho adequado, com boas acelerações. A aceleração de 0 a 100 km/h ocorre em 14,7 s com álcool e 15,5 s com gasolina. Com etanol, o torque máximo de 9,8 kgfm surge a 4.250 rpm. Com gasolina, são 9,4 kgfm a 4.250 rpm. Quanto ao consumo, na cidade faz 14,9 km/l com gasolina e 10,3 km/l com etanol. Na estrada, os números são de 15,6 km/l e 10,8 km/l, respectivamente.

Direção elétrica e ar-condicionado

Adair Santos/GES-Especial
Linhas modernas e painel feito com plásticos secos

A intermediária Zen custa R$ 34,99 mil e traz, entre os principais itens de série, a direção elétrica, ar-condicionado, travas e vidros dianteiros elétricos. Com o rádio opcional, dotado de bluetooth e entradas USB e AUX, o preço sobe para R$ 35,39 mil.

Adair Santos/GES-Especial
Volume totaliza 290 l


Mas a versão testada foi a Intense equipada com Pack Connect, que sai por R$ 39,99 mil e traz retrovisores elétricos, faróis de neblina cromados, Media NAV 2.0 com câmera de ré, abertura elétrica do porta-malas, rodas Flexwheel e chave dobrável. Além de diferentes detalhes de acabamento externo e interno. O painel tem linhas modernas e em todas as versões é feito com plástico seco, como já era de se esperar em um modelo de entrada.


Jornal NH

Motores

por Adair Santos
abcmotores@gruposinos.com.br

Gasolina na veia - O tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet sempre alardeava que nas suas veias não corria hemoglobina, e sim gasolina. Uma anomalia genética que atinge milhões de pessoas no mundo e, pelo jeito, não tem cura. Jornalista há 15 anos, Adair Santos é um desses anormais que literalmente respiram tudo que diz respeito a veículos. Editor do caderno Motores, que circula semanalmente às quartas-feiras no Jornal NH, Jornal VS e Diário de Canoas, é apaixonado por carros, motos e aviões - ou seja, tudo o que tem motor, exceto a maquininha de obturação do dentista. Motores invade a rede - Os carros recém-lançados, aqueles protótipos bizarros que talvez nunca cheguem às ruas, dicas úteis sobre veículos e testes exclusivos. Além da versão impressa, que circula semanalmente às quartas-feiras no Jornal NH, Jornal VS e Diário de Canoas, agora as notícias sobre veículos contam com este importantíssimo espaço virtual para serem divulgadas. Não deixe de participar mandando sugestões e, quem sabe, até um flagrante fotográfico de um veículo que ainda está em fase de testes e futuramente vai ser fabricado no Brasil. Eu e minha máquina - Se você tem orgulho da sua máquina, seja ela um carro antigo ou novo, motocicleta, um triciclo ou até bicicleta, envie sua foto. Junto, informe seu nome completo e idade, cidade onde reside, telefone para contato, marca, modelo, ano de fabricação do veículo e desde quando tem ele na garagem. Mas atenção: não vale mandar só a foto do carro ou moto, você também tem que aparecer na imagem. Então, mãos à obra: passe uma cera na lataria, um gel no cabelo e faça o registro fotográfico.

PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS