Publicidade
Notícias | Região Golpe da pirâmide

Unick não tinha escritório em Belize, como dizia a investidores

Criada em Novo Hamburgo e sediada em São Leopoldo, empresa alardeava possuir sala em suntuoso edifício na América Central

Por Silvio Milani
Última atualização: 27.11.2019 às 15:27

Torre é um dos principais centros de negócios do País conhecido como paraíso fiscal Foto: REPRODUÇÃO
Nos derradeiros dias antes da prisão, sufocado por avalanche de queixas de investidores lesados, o presidente da Unick, Leidimar Bernardo Lopes, 39 anos, emitiu uma carta em redes sociais para garantir que os compromissos seriam honrados. Ele assinava como se estivesse em Belize, país da América Central conhecido como paraíso fiscal, onde a empresa dizia ter escritório no edifício The Matalon Business Center.

Até vídeo no suntuoso prédio a cúpula da Unick chegou a fazer, no ano passado, com selfies e entusiasmadas declarações, para conquistar clientes pelos atrativos da ostentação. Mais uma mentira que caiu por terra junto com a pirâmide financeira. Em tom de alerta, na capa de sua página na Internet, o condomínio publica um esclarecimento: "UNICK is not a tenant of The Matalon Business Center". Ou seja, em razão da repercussão do golpe, tratou de frisar que a empresa não é locatária da torre, conhecida como um dos principais centros de negócios do país.

Representação

Diante do posicionamento do condomínio, fica uma dúvida que até a Polícia Federal não teria conseguido esclarecer. Onde e com quem a Unick operava em Belize? Na manhã de 17 de outubro, quando prendeu nove da cúpula da empresa e apreendeu R$ 200 milhões em dinheiro e bens, o delegado Aldronei Rodrigues confirmou que a Unick teria forte representação naquele país, que não seria em forma de escritório.

 

Prefeitura compra vagas em creche usada para lavar dinheiro

Uma das várias empresas usadas para lavagem de dinheiro da Unick, conforme revelado ontem pelo Jornal NH, a Escola de Educação Infantil Jardim dos Anjos, em Caxias do Sul, não é da administração municipal, segundo nota da prefeitura. "É particular. Tal instituição apenas presta serviço à prefeitura de Caxias do Sul por meio do atendimento de crianças a partir da compra de vagas pelo Município. Logo, em momento algum, a Prefeitura foi gestora da escola." Segundo o Ministério Público, a creche é de Itamar Bernardo Lopes, 40, irmão do presidente da Unick. Uma professora da escola contou à reportagem que a verdadeira dona seria a esposa de Itamar, mas que a prefeitura teria assumido a creche há cinco meses.


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.