Publicidade
Opinião OPINIÃO

Da crise, seus heróis e nosso futuro

Por Alberto Becker
Publicada: 28.03.2020 às 14:00

O tema do coronavírus e seus nefastos efeitos ocupa a mídia, as redes sociais, o WhatsaApp. Sofremos um bombardeio de (des) informação, que gera uma sensação de sufocamento diante de tanta negatividade. Tempos difíceis nos aguardam e compartilhamos da angústia do agravamento da doença no País e todos os impactos que isso terá sobre nós. Não defendo uma visão Pollyana de mundo, todavia é preciso notar uma perspectiva positiva. Por desafiador que o cenário se mostre, haverá um futuro depois da crise. Trabalhando com gestão de crise há tanto tempo, vi superações de toda ordem, improváveis até, o que me impede de pensar diferente. Pode ser difícil visualizar agora, mas, creiam-me, todas as crises que a humanidade já vivenciou têm uma coisa em comum: elas passam!

Vejo uma ótima representação disso no cinema, onde, aos poucos, a luminosidade vai crescendo, tudo vai clareando, até que o filme finalmente começa. A noite é mais escura antes de amanhecer. O nosso medo de agora é perfeitamente justificável, mas não temos alternativas que não enfrentar estes dois inimigos implacáveis (a doença e a crise), numa batalha renhida, e só nos resta vencer. Lentamente, nosso medo e nossa dor vão desaparecer e dar lugar à confiança. Pois, apesar dos imensos danos, esta crise também vai passar.

Acredito que nossas chances são maiores se atuarmos unidos, cada um fazendo a sua parte, sem delegar ao governo, aos ministérios, ao universo, a tarefa de resolver tudo por nós. Evidentemente, nossas lideranças políticas têm grave responsabilidade para conosco, e devem ser cobradas. Porém, a temos igualmente; lutamos por nossa causa, para proteger as pessoas e para a reconstrução que virá.

Nossa humanidade está posta à prova. Há quem não ajude, mas tenho visto muita gente gabaritando o teste, e pretendo honrá-los. Estamos diante de dilemas éticos e existenciais sem precedentes. Mais do que nunca, não somos apenas responsáveis por nós mesmos, mas por todos. Quem gostamos ou não, quem comunga da nossa visão política ou não, patrão, empregado. Podemos até não estar todos no mesmo barco, entretanto estamos todos no mesmo mar.

Descortina-se no horizonte das incertezas uma onda de solidariedade, com muitas empresas e pessoas, verdadeiros heróis - que encontraram a empatia na crise - num exercício de doação constante. Exemplos não faltam! As crises têm dessas coisas: elas evidenciam o que nós somos. Quem é mesquinho fica mais mesquinho; quem é generoso fica mais generoso. As guerras destacam canalhas e destacam heróis. Ao final, saberemos exatamente quem é quem.

Saber que heróis existem nos restitui o direito de ter esperança. Aquela do verbo esperançar (não simples espera), que age no presente, fazendo a coisa certa, enquanto o futuro não chega. Porque teremos futuro, ele vai chegar e nós estaremos prontos!


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.