Publicidade
BAH!rulho

Banda Analepse apresenta Cabeça Milenar, seu primeiro EP

Por André Heck

Foto por: Nyrehtak Sol/Divulgação
Descrição da foto: Banda Analepse é formada por dois irmãos e um primo
Formada em 2017 pelos irmãos Allison Locatelli Menezes e Christian Locatelli Menezes, e pelo primo deles, Marcio Locatelli Schitezky, a banda Analepse acaba de lançar seu primeiro EP: Cabeça Milenar. O trabalho conta com quatro músicas e foi lançado pelo selo Corda Records, que é mantido pelos próprios integrantes da banda de Canoas. A função no Corda Records fica a cargo do Christian e de Maikol Locatelli, irmão do Marcio. Ou seja, tudo em família.  

O material de divulgação do EP da Analepse traz um texto do músico Frank Jorge (Graforréia Xilarmônica, Cowboys Espirituais e Tenente Cascavel), no qual ele fala sobre o som dos caras. "Dentre tantas possibilidades de se fazer música olhando para a história e o que está sendo feito hoje, a sonoridade da banda Analepse nasce propositiva: dialoga com rock psicodélico de todas as épocas, criam interessantes atmosferas lo-fi com teclados, guitarras e vozes, variações de andamentos na mesma canção e chegam a um resultado curioso, futurista", escreve o músico, um dos ícones do rock gaúcho.

"Já tocávamos juntos em outros projetos e depois de umas reformulações, resolvemos ficar no trio e produzir o que pudéssemos adaptando algumas coisas, como o baixo para sintetizador, que abriu um universo diferente de som pra nós. Nesse tempo a gente tava morando junto, o que acabava por ajudar bastante na hora de nos reunirmos pra tocar alguma coisa e pensar em novas ideias. Nesse processo de gravar, ensaiar e fazer jam, começaram a aparecer sons que a gente curtiu e que logo seriam as músicas do EP", conta Christian. Ele também falou com o Bah!rulho sobre o nome do grupo. "Pensamos em algumas coisas que pudessem traduzir um sentimento de dissolução da linha temporal da vida. Analepse é uma inversão na ordem cronológica de uma narrativa, e a gente entende que quando você tá fazendo alguma coisa, nesse caso um som, você entra num estado de buscar coisas que você já sabe, já viveu."

Agora, a Analepse se programa para mostrar seu trabalho pelos palcos da região. "Estamos engatinhando no alcance e entendemos que isso é uma construção e a continuidade do trabalho ajuda muito pra expandir o público ou até pra descobri-lo mesmo, nós continuamos produzindo material e queremos tocar um pouco pra divulgar o EP e ir sentindo como ele é recebido ao vivo e como podemos ir transformando o jeito de tocá-lo", destacou Christian. A banda irá participar do programa Radar, da TVE, no dia 30 de maio, e no dia 12 de junho se apresenta na 4ª edição do Festival Espacial da Querência Garagística, no Agulha, em Porto Alegre. Se liga aí:

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.