Publicidade
Botão de Assistente virtual
Cotidiano | ABC Pra Você | Viver com saúde CUIDADOS NO VERÃO

Micose de praia: previna e trate estes males da época

Até mesmo a maior exposição ao sol pode ser um fator para provocar as lesões, já que reduz a imunidade da pele

Publicado em: 12.01.2022 às 06:10 Última atualização: 12.01.2022 às 15:47

No verão, com calor e praias cheias, há um aumento na incidência de micoses e outras infecções provocadas por fungos e parasitas.

As micoses mais comuns são aquelas provocadas pela proliferação dos fungos em locais que acumulam mais umidade
As micoses mais comuns são aquelas provocadas pela proliferação dos fungos em locais que acumulam mais umidade Foto: Adobe Stock

As micoses mais comuns são as provocadas pela proliferação dos fungos em locais que acumulam mais umidade, como virilha e entre os dedos dos pés. Caio Lamunier, dermatologista do Hospital das Clínicas da USP, explica que a combinação dessa umidade com resíduos de protetor solar, por exemplo, aumenta riscos.

Até mesmo a maior exposição ao sol pode ser um fator, já que reduz a imunidade da pele, segundo Lamunier.

Atenção aos sintomas

As micoses de pele comuns costumam provocar lesões avermelhadas, coceira e eventualmente, descamações. A micose conhecida como "pano branco", ou pitiríase versicolor, costuma gerar lesões brancas ou castanhas no tronco (pescoço, tórax e abdome). Já a famosa frieira se apresenta com lesões descamativas e coceira entre os dedos dos pés.

Já o bicho geográfico é conhecido por marcas esbranquiçadas feitas pela movimentação das larvas embaixo da pele, gerando desenhos que lembram um mapa, que dá o nome da doença. A recomendação é buscar um médico. (Agência Einstein)

Idosos e crianças precisam de atenção na prevenção

Para prevenir o surgimento dessas condições, o especialista sugere cuidados que vão evitar que se crie um ambiente propício à proliferação dos fungos: tomar banho após sair da praia, e remover as sobras de filtro solar; manter a pele sempre bem seca; evitar usar roupas úmidas por longos períodos; usar roupas confortáveis, que deixem a pele respirar; e evitar o acúmulo de suor e umidade em regiões como a axila e virilha.

O principal ponto de atenção é não andar descalço em solos que possam estar infectados, como areia por onde passaram animais domésticos (que podem contaminar o local por meio das fezes) e locais sujos ou com saneamento básico precário.

Idosos e crianças devem estar especialmente atentos, já que o envelhecimento da pele torna o tecido mais sensível e suscetível às infecções, e as crianças podem levar as mãos sujas e contaminadas à boca. (Agência Einstein)


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.