Publicidade
Botão de Assistente virtual
Cotidiano | ABC Pra Você | Viver com saúde COMPORTAMENTO

Entenda quando comer demais pode ser considerado compulsão

Especialista destaca quais são os sinais do transtorno e quando o hábito de exagerar nas porções é considerado um caso pontual

Por Redação
Publicado em: 25.05.2022 às 07:00 Última atualização: 25.05.2022 às 09:53

Comer em grandes quantidades, muito rápido e até escondido - mesmo que sem fome. Essas são algumas das situações que indicam que uma pessoa sofre de compulsão alimentar.

Compulsão alimentar
Compulsão alimentar Foto: Adobe Stock
O médico especialista em medicina esportiva e emagrecimento Walid Nabil Ourabi fala que nem todo episódio compulsivo configura o transtorno.

Dr Walid
Dr Walid Foto: Divulgação
"Pode acontecer de, em momentos específicos, existirem exageros alimentares de forma descontrolada, mas que por si só não configuram um quadro clínico", pontua o médico.

"Essa diferenciação é importante porque esse sintoma tem critérios de diagnósticos bem estabelecidos", acrescenta o especialista.

Walid conta que existe um limite entre a fome e a vontade de comer e sentir fome é uma necessidade básica, já que o corpo precisa obter energia para se manter em funcionamento a partir da alimentação.

O que acontece é que esse ato tão natural pode, por alguma razão, ficar desregulado - e é aí que mora o perigo. "Quando o episódio se conclui com a sensação de fracasso, de remorso, incapacidade e descontrole gera um ciclo muito ruim que pode acabar no abalo emocional que é quando termina o episódio da compulsão e a ansiedade não diminuiu com o alimento", exemplifica.

Geralmente os quadros compulsivos estão associados a eventos do passado com repercussão emocional, muitas vezes diagnosticados somente durante uma sessão de terapia ou consulta médica.

Reconheça os sinais que indicam o transtorno alimentar

O médico fala que é importante levar em consideração se o descontrole acontecer mais de uma vez por semana em um intervalo de três meses. São eles:

- Comer mais rapidamente do que o normal;
- Comer até sentir-se desconfortavelmente cheio;
- Ganho de peso;
- Ingestão de grandes quantidades de alimentos sem sensação de fome;
- Comer sozinho por vergonha devido à quantidade de alimentos que consome;
- Sentir repulsa por si mesmo, depressão ou culpa demasiada após comer.

Comilança em situações pontuais não é doença, mas pode ser controlada

Se a vontade de comer só aparece em um dia de ócio, ou quando se depara com uma comida diferente ou se a ingesta é maior em um evento social com grande oferta de alimentos, isso não configura a compulsão. Mas é importante manter o controle mesmo em situações pontuais.

"Saber dosar o consumo pode se tornar um bom hábito, já que se há um equilíbrio na quantidade, o cérebro entende e supre a necessidade momentânea de um doce ou de um hambúrguer, por exemplo, e daí o vício não aparece. Assim, uma dieta torna-se rotina e nada fica ao extremo: nem o consumo, nem a abstinência", finaliza o especialista.


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.