Publicidade
Botão de Assistente virtual
Cotidiano | ABC Pra Você | Viver com saúde PARALISIA DE BELL

Estresse, baixa imunidade e até mudanças na temperatura podem causar paralisia facial

Boca torta, dificuldade para movimentar o rosto e falta de expressão em uma parte da face estão entre os sintomas da alteração neurológica

Por Redação
Publicado em: 16.06.2022 às 05:43 Última atualização: 16.06.2022 às 10:37

Estresse, cansaço extremo, baixa imunidade e até mudanças bruscas da temperatura estão entre algumas causas da paralisia facial, uma alteração neurológica, também conhecida como paralisia de Bell, que acontece quando o nervo da face é afetado por alguma razão, levando ao surgimento de sintomas como boca torta, dificuldade para movimentar o rosto e/ou falta de expressão em uma parte da face.

Precocidade de diagnóstico e tratamento adequado são fatores importantes para cura da paralisia facial
Precocidade de diagnóstico e tratamento adequado são fatores importantes para cura da paralisia facial Foto: Adobe Stock
José Ricardo Gurgel Testa, otorrinolaringologista do Hospital Paulista, estima que o problema atinja cerca de 80 mil brasileiros por ano e pode alterar de forma marcante a comunicação e autoestima das pessoas.

"Esse tipo de paralisia é um trauma que pode ser causado por diversas causas, dentre elas a idiopática - sem causa definida -, geralmente ocasionada de forma viral; traumática; infecciosa e neoplásica", diz.

O diagnóstico da paralisia facial é feito por meio da observação médica, sem que haja a necessidade da realização de exames complementares, na maioria das vezes. "O sintoma que mais chama atenção é a perda súbita, parcial ou total dos movimentos de um lado da face, mal que pode agravar-se durante alguns dias seguidos."

Qual é o tratamento?

Conforme o médico, a maioria dos casos de paralisia facial é transitória e há vários tratamentos possíveis, a depender das causas. "O tratamento da paralisia facial periférica é sintomático e inclui o uso de medicamentos, fisioterapia e fonoaudiologia. Não existe, entretanto, uma conduta terapêutica padrão."

A melhora pode depender do tipo e da extensão do dano sofrido pelo nervo facial, das condições clínicas e da idade do paciente. Em grande parte dos casos, costuma regredir sem tratamento, à medida que o inchaço do nervo diminui espontaneamente.

O médico explica que fisioterapia e fonoterapia são importantes para estimular a musculatura da mímica facial e da fala, bem como evitar contraturas e atrofia das fibras musculares.

"É uma emergência médica e deve fazer o paciente procurar um pronto-socorro o quanto antes", completa.


Quer receber notícias como esta e muitas outras diretamente em seu e-mail? Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.