Publicidade
Botão de Assistente virtual
Cotidiano | ABC Pra Você | Viver com saúde SAÚDE MENTAL

Hipocondria vai além do medo de estar doente; saiba mais sobre o transtorno

Doença, que pode estar relacionada com outros problemas, como o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), pode ser tratada com psicoterapia

Por Redação
Publicado em: 30.06.2022 às 05:35 Última atualização: 30.06.2022 às 11:07

A hipocondria é uma doença mental grave, que pode afetar a vida dos pacientes. Trata-se de um medo de estar doente, a ponto de parecer persecutório, quase psicótico. Quem sofre com o distúrbio acredita que está sempre doente e afirma ter sintomas físicos que, na verdade, não estão lá.

Quem sofre com a hipocondria acredita que está sempre doente e ter sintomas físicos que, na verdade, não estão lá
Quem sofre com a hipocondria acredita que está sempre doente e ter sintomas físicos que, na verdade, não estão lá Foto: Adobe Stock
A psicóloga Márcia Karine, coordenadora do curso de Psicologia do Uninassau, ressalta que reconhecer a hipocondria é bem simples. "O sinal mais claro da doença é quando o paciente marca diversas consultas em um período curto de tempo e, geralmente, para o mesmo problema, porque ele fica procurando alguma opinião médica que valide a sua preocupação", diz Márcia.

A condição pode ser relacionada com outros problemas, como o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) ou com algum trauma desenvolvido a partir de uma doença grave que o paciente apresentou ao longo de sua vida.

Outra característica da doença é que, ao contrário de outros transtornos como a ansiedade, os pacientes não sabem identificar. "A hipocondria é facilmente detectada por outras pessoas, mas não por quem sofre com ela", destaca.

Ajuda em saúde mental

Cuidar-se é muito bom e previne várias patologias, mas todo excesso faz mal, ressalta Márcia. "Diferentemente de quem apresenta outras fobias, o paciente com essa condição costuma negar que está hipocondríaco. Ele acredita fortemente que todo aquele excesso de cuidado é necessário", continua a psicóloga.

As consequências da doença, se não tratadas, são diversas. Além da ansiedade persistente que causa angústia e depressão, problemas de socialização (pelo medo de pegar doenças de outras pessoas) acabam afetando a vida do paciente, fora o risco de começar a consumir remédios sem prescrição médica.

"Pessoas hipocondríacas precisam ser acompanhadas de perto por profissionais especialistas, como psicólogos e médicos psiquiatras, pois a propensão a ingerir medicamentos pode colocar a vida do paciente em risco. A terapia ocupacional, que visa dar autonomia para os pacientes, também pode ser uma forte aliada", conclui a especialista.


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.