Publicidade
Botão de Assistente virtual
Esportes AUTOMOBILISMO

Equipe de Campo Bom retoma a construção dos próprios carros

MC Tubarão finaliza montagem de protótipo que será utilizado na temporada da Império Endurance Brasil

Por Jauri Belmonte
Publicado em: 13.05.2022 às 20:57 Última atualização: 14.05.2022 às 14:09

Colaborou: Ubiratan Júnior

Projetos, competitividade e pioneirismo sobre quatro rodas. Com certeza 2022 vem sendo um ano de novidades para a equipe campo-bonense da MC Tubarão na montagem dos próprios carros. A equipe trabalha na finalização do Tubarão XI, protótipo da categoria P1 e que será usado para correr a temporada da Império Endurance Brasil. Antes disso, em tempo recorde, o MC40, uma réplica do Ford GT40, já havia sido montado em tempo recorde para a disputa do Super Turismo RS pela Associação Campo Bom de Automobilismo (ACBA).

Protótipo da categoria P1 será usado para correr a Império Endurance Brasil
Protótipo da categoria P1 será usado para correr a Império Endurance Brasil Foto: Gustavo Henemann/GH Comunicação

"Nossa equipe foi uma das pioneiras na construção de protótipos", diz o piloto Tiel de Andrade, que aos 43 anos tem cerca de 200 corridas na carreira. Mas para isso é necessário superar etapas e imprevistos. Os primeiros testes com o carro em pista acontecem neste fim de semana. A ideia era usar o Tubarão XI na primeira etapa da Endurance, que aconteceu no fim de abril, em Goiânia. Mas o carro não ficou pronto a tempo e a estreia do protótipo será dia 21 de maio, na segunda etapa da competição, em Interlagos, São Paulo.

"O carro terá cinco metros de comprimento. Começamos a construção dele no fim de janeiro. Algumas peças vieram de fora, o que torna mais complexo. Por isso, tivemos de aguardar e não usá-lo em Goiânia", diz Tiel. Com motor Ford Duratec Turbo, de 4 cilindros, o Tubarão XI tem câmbio sequencial de seis marchas. As rodas são BBS, com aro 18 polegadas. O protótipo vem sendo testado desde abril e a construção foi convênio com a Sigma P1 Engenharia, que cuidou do desenvolvimento do chassi tubular e também da aerodinâmica, que ajudará na estabilidade.

Além disso, a equipe empreendeu tempo no desenvolvimento e pintura da carenagem. As peças são modeladas na própria oficina à base de fibra. "É um material leve, mas ao mesmo tempo rígido, capaz de suportar impactos", explica Tiel. O sistema de freio também é um ponto primordial no carro. Para a construção do Tubarão XI, a equipe de Campo Bom reformou as pinças de freios Brembo, justamente pensando na frenagem em um curto período de tempo. "São as mesmas que a Ferrari usa", garante o piloto, que compete nas categorias Classe GT e Classes P1/P2/P3.

Para Tiel, um dos diferenciais da equipe é a forma como os carros são feitos. "Diferentemente do que acontece em São Paulo, aqui tudo é feito de forma artesanal." O tempo sem competições devido à pandemia fez a MC Tubarão se reinventar. "Já tínhamos um know how na construção de carros, pois desde 1996 até agora fizemos dez carros. Com a pandemia e sem corridas, reativamos a construção dos protótipos."

Principais conquistas

Tiel de Andrade começou a pilotar no fim dos anos 90. Já foi campeão Serrano de Endurance, decacampeão Gaúcho de Endurance, bicampeão brasileiro de Endurance, campeão da Brascar, das 6 Horas de Guaporé, bicampeão dos 500 quilômetros de Interlagos e campeão das 500 Milhas de Londrina. "Ainda falta conquistar as 1000 milhas de Interlagos. É um dos meus sonhos." Sobre a prova mais marcante da carreira, considera uma etapa da Império Endurance, em 2016. “Foi uma prova em Tarumã, pista que conheço desde quando comecei. E tivemos a oportunidade de ultrapassar o consagrado Ricardo Maurício, que pilotava um Porsche, que veio da Alemanha, a três voltas do fim. Foi emocionante, especialmente por ter sido uma prova televisionada”, conta. Já a MC Tubarão, foi campeã nas 12 Horas de Guaporé, em 1992, além de ter um título de campeonato gaúcho de opalas, em 1993.

Tiel começou a pilotar por influência do pai
Tiel começou a pilotar por influência do pai Foto: Reprodução

Como começou a correr
Tiel começou a pilotar por influência do pai, Carlinhos de Andrade. “Ele começou a correr em 1979, anos que nasci. Quando começamos os protótipos, entre 1995 e 1996, eu com 16 anos fiz minha aparição nas pistas, mas acabei batendo. E oficialmente em 1998, com minha primeira temporada. Corri em todos os protótipos Tubarão, desde o II até o X”, relembra.O piloto campo-bonense já participou de 22 edições das 12 Horas de Tarumã.

Protótipo feito em tempo recorde

O MC 40, com carenagem do Ford GT 40, teve sua construção inspirada no filme Ford vs Ferrari. "No fim de janeiro veio a ideia de projetar um carro com a bolha do Ford GT 40, carro que fez história no passado. Reestilizamos ele. É um carro vencedor", diz Tiel. O projeto ficou pronto em tempo recorde: 28 dias.

Tubarão MC40 foi construído em apenas 28 dias
Tubarão MC40 foi construído em apenas 28 dias Foto: MC Tubarão/Divulgação

O carro é usado pela ACBA na Super Turismo Gaúcho GT 2022. "A necessidade forçou essa construção rápida. Mais de 20 empresas de várias cidades da região se mobilizaram na montagem do carro, sem contar terceirizados que ganham para ajudar, como empresas de pneus, acabamento e eixos", diz Tiel. O MC 40 tem motor Ford Duratec 2.3, com 16v e potência de 280 cavalos. E a criação de protótipos não para por aí. A equipe já começou a construção do MC40 2. O novo protótipo ainda não tem prazo para ficar pronto.

Uma das equipes mais antigas do Brasil

Em uma chácara, no bairro Quatro Colônias, em Campo Bom, a Mecânica Carlinhos traz as iniciais MC, que dão as boas-vindas. É ali que, diariamente, seis pessoas trabalham e fazem as ideias tomarem forma. A MC Tubarão é uma das equipes mais antigas em atividade no automobilismo brasileiro. Fundada em 1975 por Carlinhos de Andrade, pai dos protótipos Tubarão. O que está nascendo agora é o 11º de uma linhagem que começou em 1996. "A construção dos protótipos sempre foi um sonho do meu pai", diz Tiel. Carlinhos, que morreu em abril de 2019, era pai de Tiel e Carlos Geison de Andrade (o Né), que hoje comandam a estrutura. "Para cada protótipo, são uns dois meses projetando. Sem dúvidas, a parte mais difícil é a criação do motor pela complexidade envolvida", diz Né. A MC Tubarão é parceira da Associação Campo Bom de Automobilismo (ACBA), que tem financiamento do Governo do Estado, por meio da Lei de Incentivo e Fundo - Pró-Esporte RS, da Secretaria do Esporte e Lazer (SEL). A equipe também é responsável pela operação da equipe oficial da Eurobike, no Império Endurance Brasil, com um modelo BMW M2 CS Racing GT4.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.