Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Mundo CONFLITO NO LESTE EUROPEU

Soldado russo é condenado à prisão perpétua por crime de guerra na Ucrânia

Vadim Shishimarin, de 21 anos, declarou-se culpado pela morte de Oleksandr Shelipov, de 62 anos

Por Estadão Conteúdo
Publicado em: 23.05.2022 às 11:06 Última atualização: 23.05.2022 às 11:08

Um tribunal de Kiev condenou o soldado russo Vadim Shishimarin, de 21 anos, à prisão perpétua por cometer crimes de guerra em território ucraniano durante a invasão da Rússia ao país. O veredicto, anunciado nesta segunda-feira (23), foi o primeiro a condenar um militar russo na Ucrânia desde o início da invasão ordenada por Moscou em 24 de fevereiro.

Soldado russo se declarou culpado
Soldado russo se declarou culpado Foto: ArmyInform/Reprodução
Shishimarin, um comandante de tanque, declarou-se culpado pela morte de Oleksandr Shelipov, de 62 anos, na vila de Chupakhivka, no nordeste da Ucrânia, em 28 de fevereiro, quatro dias após a invasão.

Promotores ucranianos disseram que Shishimarin e outros quatro militares russos roubaram um carro para escapar depois que sua coluna foi alvo de forças ucranianas. Ao entrarem na vila, os soldados viram Shelipov andando de bicicleta e falando ao telefone. Shishimarin foi ordenado a matá-lo para impedir que ele relatasse sua localização, disseram os promotores.

Na semana passada, o soldado reconheceu ao tribunal que era o culpado e pediu à viúva da vítima que o perdoasse, ao mesmo tempo que justificou seus atos como "ordens recebidas".

O juiz Serhi Agafonov disse que Shishimarin, cumprindo uma "ordem criminosa" de um militar de alto escalão, disparou vários tiros na cabeça da vítima com uma arma automática. "Dado que o crime cometido é um crime contra a paz, a segurança, a humanidade e a ordem jurídica internacional (...) o tribunal não vê a possibilidade de impor uma pena (mais branda)", disse.

O advogado do soldado russo, Viktor Ovsiannikov, disse que não ficou surpreso com a sentença porque houve "certa pressão da sociedade" e disse que apresentaria um recurso legal contra o veredicto.

Vestindo um moletom com capuz azul e cinza, Shishimarin assistiu aos procedimentos silenciosamente de dentro de uma caixa de vidro reforçada na sala do tribunal e não mostrou nenhuma emoção enquanto o veredicto era lido. Ele ficou com a cabeça baixa, ouvindo um tradutor.

O julgamento, que começou na semana passada, tem um enorme significado simbólico para a Ucrânia e um advogado internacional. De acordo com o MP ucraniano, o país abriu mais de 12.000 investigações por crimes de guerra desde o início da invasão russa.

Kiev acusa a Rússia de atrocidades e brutalidade contra civis durante a invasão, ao passo que a Rússia nega ter como alvo civis ou envolvimento em crimes de guerra durante o que classifica como uma "operação militar especial".

O Kremlin ainda não fez comentários sobre o veredicto. Anteriormente, o governo russo afirmou que não tem informações sobre o julgamento e que a ausência de uma missão diplomática na Ucrânia limita sua capacidade de prestar assistência.

Com agências internacionais

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.