Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Novo Hamburgo Saúde

Aumenta mobilização pela oncologia

Arita Bergmann e Valdeci Oliveira debateram tema com a Câmara

Por Susi Mello
Publicado em: 12.05.2022 às 03:00

Mais um capítulo na mobilização pela volta do tratamento oncológico pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para Novo Hamburgo. Ontem uma reunião em Porto Alegre reuniu a secretária estadual de Saúde, Arita Bergmann, e o presidente da Assembleia Legislativa, Valdeci Oliveira, com representantes municipais. O encontro foi sugerido pela Comissão Especial de Acompanhamento de Referência Oncológica do SUS, da Câmara Municipal.

Reunião com secretária Arita ocorreu nesta quarta-feira
Reunião com secretária Arita ocorreu nesta quarta-feira Foto: Câmara Vereadores Novo Hamburgo/Divulgação

O presidente da Comissão, vereador Enio Brizola, destacou que o grupo, formado por políticos e representantes da sociedade civil, ouviu dela que iria conversar para ajudar a construir uma possibilidade de tentar restabelecer a volta do serviço para Novo Hamburgo.

Além dos vereadores, da secretária Arita e do chefe do Legislativo gaúcho, participaram da audiência Regina Dau e Eneida Suárez, representantes da Liga Feminina de Combate ao Câncer; Regina Abel, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o deputado Issur Koch.

A Liga Feminina de Combate ao Câncer apresentou para a secretária estadual de Saúde um documento em que o Hospital Regina diz estar aberto a negociações.

"O Hospital Regina sempre esteve aberto ao diálogo para a manutenção da prestação dos serviços em oncologia ao SUS de forma equilibrada, de acordo com o interesse do poder público, responsável pela contratação", confirmou a instituição de Saúde através de nota.

"Vamos tentar uma solução", frisa Regina, acrescentando que a Liga continua na luta. "Isso é triste. É retroativo", comenta, a respeito da perda da oncologia SUS em Novo Hamburgo.

A assessoria da Prefeitura informou que a prefeita Fatima Daudt voltou a conversar com a secretária estadual de Saúde, Arita Bergamann, sobre a questão da oncologia em Novo Hamburgo.

Segundo a Administração, foi lembrado que o atendimento em Taquara só surgiu a partir de uma decisão exclusiva do Hospital Regina em interromper o serviço prestado ao SUS. Como instituição privada, o Hospital Regina tem direito a este posicionamento. "A nós cabe garantir que nenhum paciente fique desassistido", reforça a prefeita.

Mobilização para trazer serviço de volta à cidade

A mudança da oncologia do SUS para Taquara e as eventuais alternativas para trazer o serviço de volta a Novo Hamburgo têm sido objeto de debates públicos. Quando esteve na cidade, o presidente da Assembleia Legislativa inclusive havia se disposto a ajudar na intermediação das demandas.

Ontem, o site da Assembleia Legistlativa também abordou o encontro, reforçando que o grupo defendeu uma maior negociação entre as partes - Município, Estado e hospital - para que a população tenha assegurado acesso aos tratamentos em oncologia sem que tenha que realizar deslocamentos maiores.

Esforço

A prefeita Fatima Daudt voltou a informar, através de nota, que há uma mobilização para tentar trazer de volta o serviço à cidade: "Tenho insistido que é importante investir os recursos em nosso Hospital Municipal para trazer a oncologia de volta à cidade de forma definitiva, e não dependermos mais de decisões de hospitais privados. Precisamos que nosso hospital 100% SUS esteja apto a atender também a oncologia. E estamos realizando obras na instituição também com esta pe rspectiva."

A assessoria do deputado Issur Koch informou que ele pediu à secretária Arita Bergmann que interceda junto ao governador Ranolfo Vieira Júnior para que os R$ 492 milhões que o Estado pretende utilizar em rodovias federais possam ser redirecionados à Saúde.

TAGS: hospitais
Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.