Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Novo Hamburgo SAÚDE

Falta de pediatras no Estado acontece por valores baixos, diz presidente do SindMed

Nesta semana, emergência pediátrica do Hospital Regina ficou fechada por seis horas e instituição atribui medida à escassez de profissionais na área; Sindicato dos Médicos de Novo Hamburgo relata que dificuldade para encontrar médico especializado é realidade em todos os hospitais

Por Susi Mello
Publicado em: 04.08.2022 às 20:59 Última atualização: 05.08.2022 às 15:48

Das 7 às 13 horas de quinta-feira (4), o Hospital Regina, em Novo Hamburgo, fechou sua emergência pediátrica. A comunicação foi feita publicamente pelas redes sociais da instituição de saúde. O hospital justifica a medida pela dificuldade de contratação de pediatras, situação que já vem sendo observada na rede pública de saúde da região há mais tempo.

Hospital hamburguense recorda 20 anos como referência
Hospital hamburguense recorda 20 anos como referência Foto: Divulgação
"Infelizmente, devido a esta dificuldade na contratação não é descartada a necessidade de novos fechamentos", informou nota do hospital, acrescentando que além do anúncio de vagas, a instituição busca ativa e intensamente por profissionais da área, porém, existe uma questão de mercado relacionada ao número baixo de profissionais disponíveis nesta especialidade.

Ainda na quarta-feira (3) à noite, o comunicado do hospital nas redes sociais dizia: "A Instituição reforça que, assim como diversos hospitais, vem enfrentando dificuldade na contratação desta especialidade. Apesar disso, sempre buscou alternativas e contou com a colaboração dos médicos pediatras para suprir a demanda. Para este dia, porém, teve esgotadas as possibilidades." A publicação também orientava os pacientes a buscarem prontos atendimentos e hospitais de referência de seus convênios.

Realidade estadual

A dificuldade em encontrar médico especializado, como pediatria, é uma realidade em todos os hospitais, aponta o presidente do Sindicato dos Médicos de Novo Hamburgo (SindMed), Kleber Fisch. "O que acontece é que a hora paga não fica atrativa para a especialidade. A falta de pediatria no Estado acontece por valores baixos e que não condizem com o grau de responsabilidade e especialidade dos colegas", arremata Fisch, representando a entidade que abrange Novo Hamburgo, Campo Bom, Dois Irmãos e Estância Velha, onde há em torno de 150 pediatras.

"O que acontece não é falta de pediatras e sim um desequilíbrio, pois os profissionais não querem trabalhar onde a remuneração não é atrativa ou a localização é muito afastada dos grandes centros urbanos, não oferecendo condições adequadas para a execução de sua atuação profissional", acrescenta o presidente da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Sérgio Amantea.

"Estamos vendo, infelizmente, casos de migração de nossos pediatras saindo do Rio Grande do Sul para outros Estados em busca de melhores oportunidades profissionais", acrescenta Amantea. Ele frisa que há um número adequado de pediatras segundo os parâmetros da Organização Mundial da Saúde. Apenas na entidade são registrados 3 mil pediatras.

Dificuldades recentes na rede pública da região

A Secretaria Estadual de Saúde informa que a contratação de médicos prestadores do SUS é de responsabilidade dos hospitais e que essa contratação está sujeita às particularidades e realidade do mercado de cada município ou região.

Desde 15 de julho, o Hospital Centenário, de São Leopoldo, atende somente classificação vermelha e internação pelo fato de não haver profissionais pediatras para completar a escala. Demais casos são orientados a procurar a UPA e unidades de saúde. A casa de saúde informa que está tomando providências para normalizar a escala médica o mais breve possível.

A direção da Fundação de Saúde Pública de Novo Hamburgo (FSNH) informa que "tem buscado, diuturnamente, manter a escala de pediatras e tem aberto seguidamente processos seletivos simplificados para o preenchimento de vagas nesta especialidade inclusive".

No Hospital Lauro Reus, de Campo Bom, o diretor Leonardo Hoff informa que foram enfrentados problemas, há cerca de 60 a 90 dias, para fechamento da escala pediátrica, mas a dificuldade foi solucionada.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.