Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | País POLÍTICA

Bolsonaro se filia na terça-feira ao PL, um dos principais partidos do Centrão

Entrada do presidente na sigla ocorrerá com pompa em centro de eventos e convenções em Brasília

Por Estadão Conteúdo
Publicado em: 24.11.2021 às 07:24 Última atualização: 24.11.2021 às 07:27

A filiação do presidente Jair Bolsonaro ao Partido Liberal (PL) será oficializada na manhã da próxima terça-feira (30). A informação foi confirmada em nota oficial divulgada pela sigla presidida por Valdemar Costa Neto. A entrada do presidente em um dos principais partidos do Centrão ocorrerá com pompa, em ato no Complexo Brasil 21, centro de eventos e convenções em Brasília.

Jair Bolsonaro se filiará ao PL
Jair Bolsonaro se filiará ao PL Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A data foi definida em encontro na terça-feira (23) entre Bolsonaro e Costa Neto. A reunião não constou na agenda oficial do presidente. Em entrevista à Rádio Correio, da Paraíba, Bolsonaro havia dito que a filiação estava "praticamente certa".

Na entrevista, Bolsonaro admitiu que o principal entrave para sua filiação era a aliança do PL com o PSDB em São Paulo. "(Costa Neto) tem compromisso com o vice-governador e tinha que acertar uma maneira de resolver", disse ele numa referência a Rodrigo Garcia, pré-candidato do PSDB ao Bandeirantes.

O PL integra a base do governador João Doria e se comprometeu a apoiar Garcia na disputa pela sua sucessão, em 2022. Agora, a cúpula do partido promete abandonar a aliança para abrigar Bolsonaro. O plano do presidente é lançar o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, ao governo paulista.

Lula e Moro

Durante a entrevista, Bolsonaro minimizou as pré-candidaturas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de Sergio Moro (Podemos) ao Palácio do Planalto. "Não estou preocupado com isso. O povo que escolha o melhor", afirmou. "A grande maioria da população não quer a volta do Lula. A gente vai para debate? Vai. Debato com Lula sem problema nenhum."

O presidente voltou a criticar a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de desmonetizar canais que divulgam fake news na Internet. Segundo ele, a decisão que atinge sites bolsonaristas é "censura". "Esse tipo de censura não existia no período militar. O que não era permitido, muitas vezes, era uma matéria ser publicada. Daí o pessoal botava lá uma receita de bolo, um espaço em branco."

Bolsonaro tentou justificar a censura durante a ditadura. "Aí você vai naquela matéria que foi censurada. Censurada por quê? Não tinha razão de ser; era porque davam recados, naquela época, para seus comparsas aqui."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.