Publicidade
Notícias | Região Distanciamento

Bandeira preta, mas com aulas e restrição à noite: veja resumo das novas regras

Veja regras que começam a valer nesta terça-feira (23)

Por Matheus Chaparini
Publicado em: 23.02.2021 às 03:00

Com situação crítica em leitos hospitalares, ontem o governo do RS indeferiu todos os pedidos de reconsideração de bandeira. Com isso, a região fica em bandeira preta, risco altíssimo. Porém, há flexibilizações.

O governador Eduardo Leite anunciou a manutenção do sistema de cogestão, pedida pelos prefeitos, porém com novas regras. As atividades não essenciais estão suspensas em todo o Estado das 20 às 5 horas, de hoje até a próxima segunda-feira, independente da bandeira. A medida vale também para os supermercados.

As aulas presenciais estão liberadas para a educação infantil e para o 1º e 2º anos do ensino fundamental, mesmo em regiões de bandeira preta.

Reunião com prefeitos

As decisões foram tomadas pelo Gabinete de Crise, após reunião virtual entre o governador, o presidente da Federação das Associações de Municípios do RS (Famurs), Maneco Hassen, e das associações regionais.

"Não se trata de buscar culpados, é uma forma de demonstrar pra população, pela alteração da sua rotina, que as coisas estão fora da normalidade", defendeu o governador.

Os representantes das associações foram unânimes em defender a manutenção do sistema de cogestão, manter o comércio aberto e ampliar a repressão a aglomerações e festas clandestinas.

Os representantes reforçaram ainda a importância da aceleração do processo de vacinação. "Independente da decisão no que se refere às restrições, temos que subir o tom com o governo federal e exigir uma postura mais responsável no combate à pandemia, no que se refere à vacinação", defendeu Hassen.

Colaborou: Suélen Schaumloeffel.


 

Regiões

Vale do Sinos

A Amvars já havia encaminhado no fim de semana seu protocolo de cogestão, que passou a valer automaticamente hoje. As regras definidas correspondem às restrições de bandeira vermelha. Reunião hoje deve definir fiscalização.

"O governador atendeu aos pedidos em relação ao ensino e à cogestão e em contrapartida reduziu o horário à noite. Sabemos que será o sacrifício para alguns setores da economia, principalmente os restaurantes, mas acreditamos que vai beneficiar muitas pessoas", afirma o presidente da Amvars e prefeito de Campo Bom, Luciano Orsi.

Vale do Paranhana

O Paranhana ainda não tem definição sobre protocolo de cogestão ou orientação regional sobre a volta às aulas.

Uma reunião entre os prefeitos da região deve ser convocada para hoje. Enquanto não houver protocolo, os municípios compreendidos pela região da Ampara devem seguir a bandeira preta.

Canoas

Vai operar com bandeira vermelha, com protocolo de cogestão.

Decisões caso a caso

Mesmo nos casos em que esteja aprovado protocolo de cogestão, cada município pode optar por adotar regras mais rígidas. São Leopoldo anunciou que seguirá bandeira preta.

O protocolo no Vale do Sinos

Estas são as regras do protocolo de cogestão aprovado pela Associação dos Municípios do Vale do Rio dos Sinos (Amvars):

Alimentação - restaurantes a la carte e prato feito podem operar com 25% da lotação e 50% da equipe. É vedada música ao vivo ou mecânica alta. Bufê de autosserviço está proibido. Sistema de tele-entrega e pague e leve está autorizado. O mesmo vale para bares, lancherias e lanchonetes. Devem respeitar o horário limite até as 20 horas.

Salões - Cabeleireiro e barbeiros com 25% dos profissionais.

Comércio - Comércio varejista, atacadista e de veículos, na rua, centros comerciais ou shoppings devem respeitar a lotação (trabalhadores e clientes) de uma pessoa, com máscara, para 6 m² de área útil de circulação, respeitando limite do PPCI. No caso do comércio de itens não essenciais, deve ser respeitado o horário limite até as 20 horas.

Indústria - Os setores da indústria podem funcionar com 75% dos trabalhadores. Indústria de borrachas e plástico, farmoquímicos e farmacêuticos, podem operar com 100% dos trabalhadores.

Saúde e assistência - Assistência social e de atenção à saúde humana pode operar com 100% dos trabalhadores e veterinária, com 50%.

Lazer - Parques com selo Turismo Responsável e abertos podem operar com controle de acesso e 25% do público, assim como reservas naturais e zoológicos. Teatros e casas de shows, somente em ambiente aberto. Demais atividades fechadas.

Academia - Academias, centros de treinamento, estúdios, clubes sociais e esportivos, 25% de lotação.

Serviços religiosos - Restrito a até 30 pessoas ou 20% do público.

Transporte - Permitida 50% da capacidade total do veículo, com janelas abertas.

Bancos e lotéricas - Podem operar com até 50% dos trabalhadores.

Reforço na fiscalização

O governador solicitou às regiões que apresentem plano de ampliação da fiscalização. Foi agendada para quinta-feira uma nova reunião entre governador e prefeitos para avaliar as medidas de fiscalização e os dados da ocupação de leitos.

Leite reiterou que este é o momento mais grave da pandemia. Até o fim da tarde de ontem, a ocupação de leitos de UTI no Estado era de 86%, o maior patamar desde o início da pandemia.

De março de 2020 até agora, o número de leitos de UTI foi ampliado de 933 para mais de 2 mil. Leite afirmou que as internações estão se tornando mais longas e o perfil dos internados está mudando. Cada vez mais, pessoas jovens e sem comorbidades são internadas.

Para fortalecer o combate a aglomerações e eventos clandestinos, o governador orientou os comandos da Brigada Militar e Polícia Civil a se colocarem à disposição das prefeituras, para ações de fiscalização.


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.