Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região ESTIAGEM

Rio dos Sinos já está mais de um metro e meio abaixo do normal

Nível na régua de captação estava em um metro ontem. Conforme o prefeito Ary Vanazzi, se chegar a 50 centímetros neste ponto, a cidade passará a ter problemas com o abastecimento

Por Isabella Belli
Publicado em: 13.01.2022 às 03:00 Última atualização: 13.01.2022 às 07:27

O calor não tem dado trégua e o nível do Rio dos Sinos segue baixando. Ontem, de acordo com a medição da Agência Nacional de Águas (ANA), estava em 43 centímetros em São Leopoldo, ou seja, 1,57 metro abaixo do normal. Já na régua de captação do Serviço Municipal de Água e Esgotos (Semae), que fica na Avenida Imperatriz Leopoldina, o nível estava em 1 metro ontem, segundo a diretora de operações da autarquia, Viviane Feijó Machado.

Bancos de areia voltaram a fazer parte da pasisagem do Rio dos Sinos, na área central
Bancos de areia voltaram a fazer parte da pasisagem do Rio dos Sinos, na área central Foto: Diego da Rosa/GES

Conforme o prefeito Ary Vanazzi, se o rio chegar a 50 centímetros na captação, a cidade passará a ter problemas com o abastecimento. "O novo sistema do Semae capta a água com mais eficiência, o problema é que chegando a este nível, passaremos a captar mais impurezas o que vai exigir mais tempo para fazer o tratamento. Por isso é importante o uso racional da água."

A espera de definições

Enquanto isso, as concessionárias de água da região tentam atualizar o acordo feito anualmente com os arrozeiros e mediado pelo Comitesinos, que no momento está sem comissão. Ontem pela manhã, uma reunião entre representantes do Departamento de Recursos Hídricos e Saneamento do Estado (DRHS), Semae, Comusa, Corsan e Secretaria do Meio Ambiente de São Leopoldo (Semmam), fez com que a renovação do acordo desse um passo a frente. Para fechar em definitivo, porém, ainda é necessária uma resposta da Associação dos Arrozeiros, que segundo o titular da Semmam, Anderson Etter, deve ser anunciada na sexta-feira (14).

"Deliberamos que Semae e Corsan repassarão os níveis na captação para o Departamento de Recursos Hídricos diariamente. Caso haja o acordo com os arrozeiros, o abastecimento humano será priorizado quando o nível chegar em 50 centímetros no Semae e em 120 centímetros na Corsan", explicou Etter que ressaltou também a importância da água para todos.

"Envolve diferentes setores que dão diferentes usos, utilizando o mesmo manancial. A ideia é envolver outros setores como indústria e comércio para compor este acordo, porque neste momento, todos nós estamos sofrendo com as consequências."

Máximas de 40 graus a partir de hoje na região

Segundo a MetSul Meteorologia, esta seca será uma das maiores no mundo neste ano e trará um prejuízo de bilhões de dólares para o Sul do Brasil, Mato Grosso do Sul, além de Argentina, Uruguai e Paraguai. O pior em relação às altas temperaturas está sendo esperado para a partir de hoje.

Na região metropolitana, porém, os termômetros não devem superar os 40,6 graus feitos em 2014, quando foi registrada a segunda maior marca de calor. Para os próximos dias, conforme a MetSul, a região deverá ter máximas de 40 graus, o que poderá causar desconforto em muitos.

Por isso, a Defesa civil de São Leopoldo alerta para os cuidados básico como manter a hidratação e não se expor ao sol sem protetor solar.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.