Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região INVESTIGAÇÃO

Após prisão dos suspeitos, Polícia segue com as buscas pelos corpos do casal desaparecido de Cachoeirinha

Segundo o delegado Anderson Spier, com a prisão da filha e do neto do idoso a procura poderá ser feita sem a preocupação de uma possível remoção das provas

Por Juliano Piasentin
Publicado em: 07.05.2022 às 10:36 Última atualização: 07.05.2022 às 10:38

A Polícia Civil de Cachoeirinha segue as buscas pelos corpos do casal Rubem Heger, 85 anos e Marlene Heger Stafft, 54 anos, desaparecidos desde o dia 27 de fevereiro. O delegado responsável pelo caso, Anderson Spier, afirma que com a prisão da filha do idoso, Cláudia de Almeida Heger, 51 anos, e do neto dele, Andrew Heger Ribas, 28 anos, a procura poderá ser feita sem a preocupação de uma possível remoção das provas. “Temos algumas pistas e agora vamos poder trabalhar com mais calma e a investigação vai seguir avançando.”

Marlene e Rubem não são vistos desde 27 de fevereiro
Marlene e Rubem não são vistos desde 27 de fevereiro Foto: Arquivo pessoal
De acordo com Spier, mais algumas diligências precisam ser entregues pelo Instituto-Geral de Perícias (IGP). “Precisamos ainda dos laudos da comida encontrada na geladeira do casal, das seringas de insulina que estavam em Canoas na casa dos suspeitos e de uma blusa suja de sangue que estava na máquina de lavar do casal, em Cachoeirinha.” Apesar disso, a prisão nesta sexta-feira (6), foi possível devido a materialidade encontrada na parede de uma peça anexa à residência de Rubem e Marlene, no bairro Carlos Wilkens. “O sangue que achamos confirmando o DNA do Rubem, nos trouxe a materialidade que faltava até então para pedirmos a prisão preventiva”, destaca o delegado. 

Após as prisões, Spier disse que há indícios de que o crime foi premeditado. "Ela tem registros bem peculiares. Em 2017, ela forjou o próprio sequestro para prejudicar o ex-companheiro e essa seria a morivação para o crime", fala o delegado sobre Cláudia. Conforme as investigações, após esse episódio Rubem teria cortado relações por não aceitar a atitude dela. 

A prisão

Cláudia e Andrew foram presos por volta das 14h30 destasexta-feira (6), na casa onde vivem, em Canoas. Conforme os relatos do delegado Spier, o rapaz chegou a resistir. “Ele estava agitado, não queria deixar que fosse algemado e tiveram que segurá-lo." O neto de Rubem já havia sido preso em outra ocasião, em 2016, quando fez funcionários da empresa do pai de reféns, em Porto Alegre.

O advogado de defesa dos suspeitos, Rodrigo Schmitt, disse que Cláudia estava muito abalada e não conseguia sequer falar. “É uma prisão descabida, como meus clientes estão presos por um homicídio que nem sabemos se aconteceu”, concluiu se referindo a falta de corpos no caso. A dupla está detida temporariamente na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), em Gravataí. “A Cláudia está em uma cela separada, já o Andrew está junto com outros três homens”, conta o advogado. A Polícia Civil aguarda a liberação de vagas no sistema prisional para que mãe e filho possam ser transferidos.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.