Botão de Assistente virtual

A história da loja que chega aos 60 anos como referência para músicos da região

Empreendimento com sede em Novo Hamburgo construiu ao longo das décadas trajetória de sintonia com artistas profissionais e amadores

No início dos anos 1960 – quando o mundo da música vivia uma efervescente agitação e transformação – nada parecia mais apropriado do que abrir uma loja de instrumentos musicais. Afinal, era época de bossa nova com João Gilberto e Tom Jobim, do tradicionalismo ganhando força com Teixeirinha e da chegada de fenômenos como os Beatles e Roberto Carlos, entre outros. Ou seja, a inspiração para as pessoas desejarem aprender a arte de tocar um violão, um teclado ou uma guitarra, por exemplo, vinha de muitos lados.

Em frente à loja, os irmãos Ariete, Albano, Ariane e Adonis, que, juntos, administram o Palácio da Música
Em frente à loja, os irmãos Ariete, Albano, Ariane e Adonis, que, juntos, administram o Palácio da Música Foto: Andre Feltes/Especial
E foi neste cenário que, no dia 9 de abril de 1962, o casal Albano (conhecido carinhosamente como Wanzete) e Alice Brusius inaugurou em Novo Hamburgo um empreendimento do tamanho dessa ebulição musical, o Palácio da Música, que em 2022 está completando 60 anos de atuação. E desde a primeira sede, na Rua Borges de Medeiros, até o endereço atual, na Cinco de Abril, próximo ao Bourbon Shopping, a loja consolidou o status de ponto de referência para moradores da região quando o assunto é música.

Ariane Brusius, filha dos fundadores, conta que a criação da loja começou de uma forma curiosa: uma carona dada por um amigo de Wanzete. “O senhor Arno Bohn tinha comprado uma loja de instrumentos, mas o negócio não deu certo. Então, durante a carona, ele perguntou ao meu pai se conhecia alguém que se interessasse em adquirir o estabelecimento. O pai falou que não sabia de ninguém, mas, como na época desejava se desfazer de sua caminhonete, fez o negócio ali mesmo, trocando o veículo pela loja de seu Arno”, relata Ariane, que hoje administra o Palácio juntamente com seus irmãos Ariete, Albano e Adonis.

Ela diz ainda que a loja foi um presente de seu pai para a esposa, Alice: “A minha mãe era apaixonada por música e achava que um instrumento poderia transformar a vida das pessoas”.

No início, enquanto Alice trabalhava no estabelecimento, Wanzete dava aula de educação física, mas ao longo dos anos ele e os filhos foram se integrando ao negócio. Ariane destaca que a relação entre a loja e o público sempre foi muito próxima. “Nossos clientes têm muita confiança no nosso trabalho porque procuramos facilitar ao máximo a compra e damos todo o suporte necessário”, explica.

O Palácio da Música conta com espaços internos amplos e um portfólio qualificado de instrumentos e, ainda, acessórios. A loja é organizada por setores: cordas, percussão, sopro, teclas, musicalização infantil, métodos, áudio etc.

Mais do que uma loja de instrumentos

O Palácio não se limita à venda de produtos e reparos. Há toda uma estrutura criada dentro da própria loja para a realização de apresentações, palestras e workshops, voltados à formação de músicos. “Há uma relação próxima com movimentos culturais da região”, destaca Ariane.

Por dentro da história

PARA SEGUIR:

O Palácio da Música está localizado na Rua Cinco de Abril, 136. O horário de funcionamento é das 8h45 às 18h45, de segunda a sexta, e das 9 às 16 horas, aos sábados. Contato pelo WhatsApp (51) 99934-4433.

Site e comprar on-line: palaciodamusica.com.br
Instagram: @palaciodamusicanh
Facebook: /palaciodamusicanh

Na quinta-feira, dia 12, a loja realizou sua festa de aniversário, quando foi lançado um vídeo que conta a história do Palácio. Clique aqui para assistir.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Publicidade
Matérias especiais

Com jeito de hotel e estrutura de hospital, clínica atrai hóspedes de todo Brasil

Região
TRADIÇÕES

Gaúchos encontram novas formas de assar churrasco e tomar chimarrão

Região
Reportagem especial

Scheffler chega aos 60 anos hoje renovada e mais digital

Região

Grupo Krause completa 100 anos de história hoje

Região