Publicidade
Botão de Assistente virtual
Opinião

O fascínio pela morte

Por Jackson Buonocore
Publicado em: 13.01.2022 às 03:00

Há poucos dias um adolescente da pequena cidade de Lindolfo Collor transmitiu a tortura e a morte de um cão pela Internet. Ele estrangulou, martelou e esquartejou o animal. O vídeo foi transmitido para cerca de 30 espectadores, que incitavam o ato cruel.

Com o mesmo fascínio pela morte, um homem enviou um e-mail com ameaças aos diretores da Anvisa por terem aprovado a vacinação de crianças contra a Covid-19. O perverso anexou um vídeo enforcando o próprio cachorro, e diz "olha o que vai acontecer com vocês". 

Isso é a ponta do iceberg, que revela a orientação necrófila de indivíduos que têm êxtases por imagens de moribundos, cadáveres, suicídios, animais mortos, sangue e dejetos ligados à morte.

Os necrófilos se escondem atrás das máscaras de "cidadão de bem", mas no submundo da Internet postam vídeos de pessoas e animais em situações degradantes, que levam à morte.

Assim, eles preenchem seu vazio existencial ao glorificar as mortes causadas por crimes, tragédias e doenças, visto que seu caráter necrófilo se fortalece no ambiente virtual, retroalimentando os sentimentos sombrios.

Essas criaturas fazem apologia às ditaduras, às guerras e genocídios. Desse modo defendem matar delinquentes, banir imigrantes, bater em sem-terra, expulsar sem-teto e internar viciados etc. Aliás, seus ídolos são militares truculentos.

Sabemos que é desagradável abordar esse tema, entretanto, precisamos entender como funciona a mente dos necrófilos dentro e fora da web, pois eles manifestam a disposição de matar e/ou morrer por aquilo que acreditam.


O artigo publicado neste espaço é opinião pessoal e de inteira responsabilidade de seu autor. Por razões de clareza ou espaço poderão ser publicados resumidamente. Artigos podem ser enviados para opiniao@gruposinos.com.br
Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.